Afinal, o que é melhor: Denver ou ABA?

Vejo que muitos colegas ainda prescrevem “ABA” ou “Denver” quando orientam o início de terapias para crianças com autismo ou suspeita de TEA. Os pais, por sua vez, terminam sem saber: afinal, o que é melhor pro meu filho? Denver ou ABA? A resposta é nem um, nem outro. É a combinação de ambos, e…

Continua

10, 20, 40 horas de tratamento: nem sempre mais é melhor

Há um longo debate entre terapeutas, pesquisadores e pais de crianças com transtorno do espectro do autismo (TEA) sobre o número de horas de intervenção necessárias para resultados ideais em crianças pequenas com TEA. A premissa é de que o tratamento intensivo, iniciado em uma idade precoce, levará a resultados melhores e, de fato, há…

Continua

Entendendo a dislexia

Se você é como eu, não sabe ler uma partitura. A maioria de nós, sem treinamento musical, olha os símbolos e no máximo reconhece ali algum padrão visual. Se fossemos ensinados, com toda a paciência, a correspondência de cada uma daquelas formas com uma nota musical, ainda assim, olharíamos para a página e não tiraríamos…

Continua

Síndrome de Asperger

Não é porque os sistemas classificatórios internacionais de doenças (DSM e a CID) aboliram os subtipos e subgrupos de “autismos” que devemos esquecer completamente alguns desses grupos bem caracterizados ao longo de décadas de estudos e pesquisas clínicas. É verdade que, hoje, formalmente, existe apenas o “espectro” – todo indivíduo com sintomas de autismo (leves…

Continua

Reconhecendo sinais de ansiedade em crianças

Em adultos, a ansiedade tipicamente é provocada por preocupações ou medos excessivos, exagerados ou até mesmo irreais, que terminam gerando sintomas físicos (palpitação, inquietude, dor de cabeça, enjoos, insônia, etc). Já nas crianças, alguns medos são próprios da idade e não representam qualquer problema. Já outros são desproporcionais e causam sofrimento à criança, que nem sempre…

Continua

Investigando a apraxia verbal

Causas A apraxia da fala na infância tem várias causas possíveis, mas em muitos casos uma causa não pode ser determinada. Geralmente não é possível identificar através de exames (tomografia, ressonância ou eletroencefalograma) um problema no cérebro de uma criança com apraxia. Embora incomum, a apraxia pode ser o resultado de doenças (neurológicas) ou secundária…

Continua

O que é apraxia de fala?

Apraxia da fala na infância A apraxia da fala na infância é um distúrbio raro da fala, no qual a criança tem dificuldade em fazer movimentos precisos ao falar. Na apraxia, o cérebro se esforça acima do normal para planejar os movimentos necessários da fala. Não há fraqueza músculos envolvidos na fala (musculatura de boca,…

Continua

Brincadeiras no banho

O banho é um ótimo momento para trabalhar partes do corpo e verbos como lavar, limpar, molhar. Repita, repita e repita, todos os dias, até a criança “pegar” a brincadeira. Aqui vão algumas ideias: Cante uma música (bem simples e repetitiva!) envolvendo partes do corpo (“vamos lavar a perninha, a perninha, a perninha; vamos lavar…

Continua

O que é uma síndrome? Definindo doença, transtorno e síndrome

Vejo com alguma frequência famílias chegando ao consultório preocupadas porque receberam a notícia de que o filho tem uma síndrome. Síndrome de Asperger, síndrome de Marfan, síndrome de Wiliams, síndrome de Prader-Willi, entre outras tantas. Cada família traz consigo um possível diagnóstico como fonte de angústia e desejo de entender mais. Com frequência, a apreensão…

Continua

Identificando sinais de autismo

Podem os pais identificar sinais de autismo nos filhos? Sem dúvida! Tipicamente são os pais os primeiros a observar que algo não vai bem no desenvolvimento dos seus filhos. Outras vezes, é a escolinha ou o pediatra. Na dúvida, o melhor é procurar esclarecer a suspeita da forma mais rápida possível, evitando atrasos no diagnóstico…

Continua

Ideias de brincadeiras com crianças autistas

Balões: costuma ser um hit, atraindo a atenção da criança desde a primeira assoprada. Todo processo de insuflar e desinsuflar o balão gera expectativa (antecipação) e permite estimular o contato visual, a linguagem (“preparar, apontar….já”, ou “1, 2, 3 e…”) e os sorrisos. Faça uma pausa longa antes de deixar o balão voar pela sala.…

Continua

Como estimular a criança a se comunicar?

Enquanto no desenvolvimento típico é natural para a criança dividir a cena com o adulto, ou seja, que os dois estejam com a atenção voltada para a mesma coisa ao mesmo tempo, para a criança autista a reação natural é oposta: é afastar o adulto – evitar ou resistir ao desconforto causado pelo olhar, pelo…

Continua

Por que brincar é tão importante?

Tente lembrar de quando você era criança, de como preenchia seu tempo, com o que se ocupava. Provavelmente, nada em específico, você ficava por ali, com seus brinquedos e seus amigos. Só que esse “nada” na verdade é uma grande preparação, um ensaio para como será a vida mais à frente. O brincar e o…

Continua

O que é modelo Denver ou ESDM?

Denver ou ESDM (Early Start Denver Model, Modelo de Início Precoce de Denver) é um modelo de intervenção para crianças pequenas e pré-escolares com TEA, desenvolvido pelas psicólogas americanas Sally Rogers e Geraldine Dawson. É uma abordagem abrangente que combina os princípios de ensino da ABA com uma abordagem baseada em relacionamento. Dessa maneira, o…

Continua

Tratamento do autismo – qual o melhor método?

Quando os pais começam a pesquisar sobre formas, tipos, modalidades ou métodos de tratamento para o autismo, o resultado costuma ser desesperador. Há muita informação, de qualidade variável, na internet e pode parecer muito complicado decidir por uma abordagem terapêutica. Vou tentar ajudar você a entender um pouco melhor quais são suas opções. Primeiro: não…

Continua

Por onde começar?

A regra número um é descubra o que deixa seu filho feliz. A imensa maioria das crianças vai abrir um sorriso com alguma atividade social-sensorial, uma brincadeira prazerosa envolvendo duas (ou mais) pessoas de forma conjunta, tipicamente sem o uso de objetos. Exemplos incluem brincadeiras no colo (cavalinho, deitar cabeça para trás, abrir as pernas…

Continua

Estereotipias – o que fazer com elas?

Estereotipias são uma forma de comportamento repetitivo muito comum em crianças no espectro. São tipicamente movimentos repetitivos do corpo ou das mãos, aparentemente sem propósito, e que não causam risco à criança ou a quem convive com ela (diferentemente dos comportamentos chamados auto-lesivos). Mas então qual o problema com as estereotipias? Devo deixar ou não…

Continua

Criando zumbis

Muito se tem discutido sobre os riscos associados à exposição, cada vez mais precoce, das crianças às telas. Enquanto nos anos 1970 as crianças passavam a assistir televisão regularmente aos 4 anos, a média de idade atual para o início do contato com eletrônicos é de 4 meses. Ainda que centenas de pesquisas, de maior…

Continua

Lidando com o mau comportamento

A tendência natural humana é dar mais atenção para o negativo. Valorize o positivo. A punição ou o castigo ensinam o que não fazer, mas não ensinam o que fazer. Elimina o comportamento no momento, mas quando a circunstância volta a aparecer, o comportamento retorna – já que nada diferente foi ensinado. O oposto positivo.…

Continua

Ganhando a atenção do seu filho

Agora que vocês se encontraram, você precisa aproveitar esse momento – porque nós sabemos que ele não vai durar para sempre (na verdade, não vai durar mais do que alguns minutos). Mas vamos lá, aproveite que você está no foco. E calma, vai melhorar. A primeira coisa a fazer é eliminar a competição. O ambiente…

Continua

Seu filho gosta do quê?

Tudo começa pela motivação. Uma criança desmotivada, ou talvez seja melhor dizer desinteressada, não vai se engajar em nada que você apresentar, não importa quão lindo, caro e piscante é o novo brinquedo que você comprou. E se ela não engajar, você já sabe, ela não conecta e não aprende. Então a primeira coisa que…

Continua

Crise de perda de fôlego

A expressão crise de “perda de fôlego” refere-se a episódios relativamente comuns que, embora pareçam uma crise convulsiva, são de natureza não-epiléptica. Eles podem ocorrer quando a criança está com medo, chateada ou com raiva, quando sofre uma queda ou batida brusca, ou por dor. Sempre há um desencadeante! A criança chora e parece parar…

Continua

Dor de cabeça em crianças

Queixa muito comum, a cefaleia (dor de cabeça) atinge 39% das crianças aos 7 anos e 69% aos 14 anos, com predomínio no sexo feminino a partir dos 10 anos. Algumas perguntas que ajudam o médico na avaliação da dor: Você sente um único tipo de dor, sempre do mesmo jeito? Há quanto tempo você…

Continua

Criança aprende brincando

Todo mundo já ouviu essa frase antes. Ela é verdadeira tanto para crianças típicas quanto para crianças com TEA. A grande diferença destas é que elas se engajam menos ou com maior dificuldade nas brincadeiras, como se não tivessem interesse ou não quisessem ser “importunadas” pelas tentativas do adulto em brincar com elas. E com…

Continua

Intervenção é brincadeira sim

Então nosso ponto de partida é entender que a brincadeira é a intervenção. Repita comigo: a brincadeira é a intervenção. E vice-versa. Em alguns momentos, você vai, sim, sentar na mesinha e ensinar coisas, modelo escolinha, mas a maior parte do tempo seu trabalho deverá ser brincar com seu filho. Só não será da forma…

Continua