Sobre sair do espectro

Não existe sair do espectro. Existe deixar de preencher critérios formais para um diagnóstico de autismo. São coisas bem diferentes. Uma pessoa é do espectro porque durante o seu neurodesenvolvimento inicial – da vida intrauterina até os primeiros anos de vida – certos aspectos da sua organização cerebral se configuraram de uma forma singular. Isso…

Exoesqueletos

A imagem é forte. Me disse uma amiga: trocaram meu filho. Tiraram a criança que eu tinha e, no lugar, deixaram alguém diferente. Neurodiverso. Atípico. Com necessidades especiais. Uma ciranda de termos bem-intencionados que buscam maquiar e absorver o impacto da avassalante e insistente ideia de “doente”. Meu filho se foi e “os especialistas” me…

Encarando um diagnóstico

Existem basicamente duas posturas da família frente a um diagnóstico: aceitar ou negar. Quem aceita costuma ver o diagnóstico como uma explicação; muitas famílias sentem até um certo alívio pela confirmação de que suas intuições estavam corretas e, de fato, havia algo diferente com a criança. Até algum eventual sentimento de culpa que a família…

E se meu filho for autista?

Quase que por acaso, enquanto trabalhava na revisão técnica de um livro, descobri este texto. Confesso que não o conhecia, embora pesquisando me parece que hoje ele é um texto bastante famoso. Foi escrito em 1987 por Emily Perl Kingsley e chama-se “Bem-vindo à Holanda”. É um relato extremamente singelo e, ao mesmo tempo, profundamente…

Síndrome de Asperger

Não é porque os sistemas classificatórios internacionais de doenças (DSM e a CID) aboliram os subtipos e subgrupos de “autismos” que devemos esquecer completamente alguns desses grupos bem caracterizados ao longo de décadas de estudos e pesquisas clínicas. É verdade que, hoje, formalmente, existe apenas o “espectro” – todo indivíduo com sintomas de autismo (leves…

Reconhecendo sinais de ansiedade em crianças

Em adultos, a ansiedade tipicamente é provocada por preocupações ou medos excessivos, exagerados ou até mesmo irreais, que terminam gerando sintomas físicos (palpitação, inquietude, dor de cabeça, enjoos, insônia, etc). Já nas crianças, alguns medos são próprios da idade e não representam qualquer problema. Já outros são desproporcionais e causam sofrimento à criança, que nem sempre…