O Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) é um transtorno do neurodesenvolvimento definido por um conjunto de sintomas que a criança apresenta desde os primeiros anos de vida. Existem dois critérios essenciais para o diagnóstico: (1) uma dificuldade na comunicação social e (2) a presença de interesses restritos e/ou comportamentos estereotipados. O que isso quer dizer na prática?

A comunicação social diz respeito à forma como a criança interage com os outros. Tipicamente, as crianças são seres muito sociais e, desde o nascimento, têm interesse em olhar para o rosto de outras pessoas; bebês de 4-6 meses já demonstram prazer em interagir com os adultos, sorriem em resposta a um sorriso e, por volta de 7-9 meses já se divertem com brincadeiras tipo “esconde-achou”. No desenvolvimento típico, as crianças buscam se comunicar, mesmo antes de falar, através de gestos, expressõs faciais e sons. Nas crianças do espectro autista, percebe-se que esse interesse natural em observar os outros e interagir com as pessoas ao redor não costuma se desenvolver da forma usual. Esses são sinais bastante precoces que, com o passar do tempo, tornam-se mais nítidos, à medida que a diferença em relação às crianças típicas vai aumentando – principalmente depois dos 2 anos, quando a fala e a linguagem verbal criam um grande gap para as crianças com TEA.

“Interesses restritos” refere-se à observação de que, no autismo, as crianças costumam ter uma predileção exagerada (fixação) por certos objetos ou temas. Assim, por exemplo, podem ter um interesse atípico por água, rodas, carros, dinossauros, planetas, jornais, letras, figuras geométricas – inúmeras coisas. (É importante frisar que isso também acontece, em menor grau, no desenvolvimento normal da crianças de 1 a 3 anos). No TEA, quando isso ocorre, os pais percebem que é geralmente difícil tirar aquele objeto da mão da criança, trocar de atividade ou falar sobre outra coisa, sem que a criança chore ou fique irritada.

“Interesses restritos” também se manifestam na forma de uma “insistência no mesmo” – querer manter sempre tudo igual, fazer tudo sempre da mesma forma, como um apego exagerado à rotinas. Essa insistência no mesmo também pode ser vista na forma da criança brincar, sempre reproduzindo um mesmo padrão na brincadeira – empilhando ou enfileirando, girando ou colocando na boca os objetos, por exemplo.

Esteriotipias são geralmente gestos ou movimentos feitos com as mãos de forma repetida e aparentemente sem propósito. Podem ser também verbais, como no caso das ecolalias – quando a criança repete diversas vezes uma palavra ou frase que acabou de ouvir – ou simplesmente frases que a criança usa de forma repetitiva e fora de contexto.

São alguns sintomas de autismo ou TEA:

– pouco contato visual (evita olhar nos olhos);

– pouco uso de gestos e poucas expressões faciais

– dificuldades em brincar com os objetos de forma elaborada ou criativa

– desinteresse em brincar com outras crianças ou interagir com as pessoas

– dificuldade de entender emoções e sentimentos relacionados ao outro

– atrasos na fala ou uma fala com tom de voz monótono, pouco expressivo

– reação exagerada ou diminuído a estímulos do ambiente, como sons, luzes ou texturas